Phantom Hourglass X Spirit Tracks: Qual é o melhor Zelda?

18:55

Vou começar essa postagem avisando que o que eu vou falar é totalmente baseado na minha opinião, e se você discorda (ou não), a caixa de comentários está aberta para a discussão! 😊


Terminei hoje The Legend of Zelda: Spirit Tracks para o Nintendo DS Lite (sim, eu ainda jogo em um portátil lançado há aproximadamente 10 anos atrás, e o meu ainda funciona perfeitamente), game da franquia The Legend of Zelda (não me diga), que eu emendei logo após terminar The Legend of Zelda: Phantom Hourglass, e senti a necessidade de falar de ambos os jogos aqui no blog, assim como realizar um comparativo entre eles.

Quero deixar claro que eu sou uma fã recente da franquia; The Legend of Zelda passou a fazer parte da minha vida apenas quando eu adquiri um Nintendo Wii, e pude jogar Twilight Princess...E foi amor eterno à primeira vista. 😍
Eu era uma criança pobre que não tinha GameCube nem Game Boy. Cresci jogando Sonic no meu Mega Drive III, e foi assim até ganhar o meu PlayStation I...Dreamcast para mim era uma coisa além do normal, que eu ficava babando enquanto assistia meus vizinhos jogarem, mas não chegava nem perto. 😔

Então eu tenho tentado jogar todos os games da franquia Zelda que eu puder (inclusive quem quiser me vender um 3DS baratinho, pode falar comigo q). Os disponíveis para DS Lite são estes que eu vou falar sobre:


  • Phantom Hourglass
Sucessor direto de The Legend of Zelda: The Wind Waker, esse game se passa em sua grande maioria no alto mar, onde Link precisa cumprir várias missões em diversas ilhas, com o objetivo de resgatar sua amiga Tetra (ancestral da princesa Zelda) do terrível Navio Fantasma e derrotar Bellum, o grande vilão deste game.

Sendo este o primeiro jogo da franquia Zelda que eu joguei para o Nintendo DS, eu gostei dele bastante. No começo eu me atrapalhei um pouco com a jogabilidade, afinal você utiliza apenas o stylus para movimentar o personagem; A exceção é quando você precisa utilizar os botões L ou R, e o microfone (eu sempre achei super divertido jogos que utilizam o microfone hehehe).
Outra coisa que eu gostei bastante é a possibilidade de planejar suas próprias rotas e utilizar o navio para navegar pelo mar sem um rumo obrigatório, assim encontrando às vezes, novas ilhas não mapeadas.
Agora uma coisa que eu não gostei, era a necessidade de a todo final de missão (em um templo, por exemplo), ter de adentrar o Temple of The Ocean King, para resgatar mais uma parte dos mapas dos oceanos, e assim poder dar continuidade no game. Eu não gostei dessa parte, simplesmente porque há um tempo cronometrado para que você realize a missão, e toda essa história de ter que correr contra o relógio sempre atacava a minha ansiedade e eu começava a passar mal. 😂


  • Spirit Tracks
Muito parecido com Phantom Hourglass, em The Legend of Zelda: Spirit Tracks, Link conta com a ajuda de Zelda para recuperar a Torre dos Espíritos, onde o grande vilão Malladus viveu por centenas de anos aprisionado. Malladus foi libertado pelo Chancellor Cole, com o objetivo de instaurar o caos em Hyrule. Para recuperar a Torre dos Espíritos, Link, um engenheiro de trens, precisa primeiro restaurar cada uma das Spirit Tracks (não me diga), que são os trilhos que fazem a ligação das cidades com a Torre dos Espíritos. Somente assim, Link poderá derrotar Malladus e restaurar a paz em Hyrule.

Por incrível que pareça eu achei esse jogo bem mais fácil do que o anterior; Na verdade, eu senti que o jogo todo em si era bem fácil, porém quando chegávamos próximo ao final, o nível de dificuldade aumentava bastante. As missões eram bem mais simples de serem concluídas, e os bosses bem mais fáceis do que em Phantom Hourglass.
Gostei que neste jogo o recurso do microfone foi mais aproveitado, de forma que você deveria utilizar a Spirit Flute em vários momentos para concluir missões, encontrar tesouros, acessar outras áreas do mapa, etc. A parte de coletar carimbos também é bem divertida.
Uma coisa que eu não gostei foi a impossibilidade de não podermos salvar o jogo em seus momentos finais, de forma que caso você morresse (coisa que aconteceu comigo várias vezes 😂), você tinha que derrotar todos os bosses antes de chegar à forma final de Malladus.


  • Comparativo e conclusão
Como já citei anteriormente, achei Spirit Tracks um game bem mais fácil que Phantom Hourglass, porém ST me pareceu bem mais engraçado e divertido que PH (o Link todo apaixonadinho pela Zelda é a coisa mais fofa do mundo hihihi). Aliás, gostei especialmente dos jogos da franquia Zelda para o Nintendo DS justamente porque eles são muito bonitinhos e engraçados. 😊
Uma coisa que sempre aquece meu coração quando eu jogo Zelda (ou vejo algum gameplay da franquia) é que eles sempre fazem referências (ou repetem mesmo), à personagens de outros jogos pertencentes à franquia, e essa história de tudo meio que seguir uma linha temporal é uma coisa que eu gosto muito!
Em termos de ser um game bem mais completo e com muitas coisas mais a serem exploradas (apesar de eu ter achado que em Spirit Tracks há uma possibilidade maior de interação com o cenário em si), acredito que Phantom Hourglass é o melhor entre os dois. Pareceu-me um game muito mais bem produzido e pensado, e por isso ele é o vencedor no comparativo aqui do OMF. 🏆

You Might Also Like

0 comentários